Voltar

Robótica se inspira em animais para inovar

03/08/2016
Imagem retirada de http://gazetaweb.globo.com/gazetadealagoas/noticia.php?c=291948
Imagem retirada de http://gazetaweb.globo.com/gazetadealagoas/noticia.php?c=291948

No livro Androides Sonham com Ovelhas Elétricas?, do escritor Philip K. Dick, o protagonista Rick Deckard é dono de uma ovelha. Entretanto, não é uma ovelha convencional. Em vez de um animal de carne e ossos, ela é feita de circuitos, condutores e fios. A história parece (e é) ficção científica. Afinal, robôs de estimação ainda estão longe da realidade.

No entanto, máquinas inspiradas na natureza estão se tornando realidade dentro dos laboratórios. Pesquisadores independentes e grandes empresas, como a Boston Dynamics, do Google, e a fabricante alemã de automação industrial Festo, buscam soluções na natureza para tornar a robótica mais útil para as pessoas.

A Festo, que tem um catálogo com quase 3 mil patentes de todos os tipos, desde 2006 mantém um setor de inovação especializado no desenvolvimento de robôs inspirados em animais. Chamado de Bionic Learning Network (rede de aprendizado biônico, em tradução literal), a área, que reúne biólogos e engenheiros, já criou peixes, libélulas, águas-vivas, pássaros e até mesmo borboletas constituídos de peças e fios. Eles se tornaram um dos principais pilares de inovação da alemã.

“A natureza está se adaptando há milhões de anos para encontrar o melhor jeito de sobreviver. Por que não copiar as características dela?”, diz o engenheiro e gerente de produtos da Festo Brasil, Paulo Roberto dos Santos

Um dos casos de sucesso da Festo é a lagartixa. A empresa precisava desenvolver uma máquina que segurasse objetos extremamente lisos sem danificar ou gastar muita energia. O Bionic Learning Network achou a solução na pata do réptil, que possui uma forte aderência em qualquer tipo de superfície. Segundo a Festo, várias empresas na Europa já procuraram a fabricante pelo produto, que ainda está em fase de desenvolvimento.

Outros projetos, no entanto, já saíram do papel e se tornaram realidade. Em 2006, a empresa desenvolveu o Airacuda, um robô inspirado no peixe barracuda. A máquina, assim como o peixe, realiza um movimento de curva natural no corpo. Engenheiros da Festo viram ali uma solução para garras industriais que se tornou um produto da marca.

Fonte: Gazeta Web