Voltar

Robótica é um dos destaques nos estandes na Intermach

02/09/2015
Imagem: Claudia Baartsch / Especial
Imagem: Claudia Baartsch / Especial

A exposição de produtos e serviços ligados à robótica industrial é um dos destaques nos estandes da 10ª Feira e Congresso de Tecnologia, Máquinas, Equipamentos, Automação e Serviços para a Indústria Metalmecânica (Intermach) 2015.

Durante o evento, que está sendo realizado no Complexo Expoville, em Joinville, até sexta-feira, o visitante pode conferir, por exemplo, algumas aplicações feitas por robôs instalados em um caminhão do Instituto Avançado de Robótica (IAR), de São Paulo. Eles simulam a operação para colar, soldar e manipular objetos.

De acordo com o diretor do instituto, Rogério Vitalle, o Brasil ainda tem muito a se desenvolver nessa área, pois a robotização chegou ao País há três décadas, enquanto internacionalmente já é utilizada há um século.

Uma das principais deficiências diz respeito à integração do robô com outras máquinas.O ensino universário não acompanha a demanda do mercado, explica. A utilização também fica abaixo da média mundial. No mundo, diz Vitalle, existem 58 robôs para cada 10 mil trabalhadores, enquanto no Brasil o número não passa de oito robôs.

A robótica está presente no Brasil com mais força na indústria automotiva e alimentícia. A faixa salarial inicial para o profissional que executa a função de robotista varia de R$ 2,5 mil a R$ 3 mil. A profissão ainda não é regulamentada, mas existem cursos na área, como o do próprio IAR. Vitalle diz que, a partir dos 14 anos, um jovem já pode se matricular e ter conhecimento de programação de robôs.

Um curso completo para formar um verdadeiro especialista custa em torno de R$ 3 mil e abrange cinco módulos operacionais e mais cinco de manutenção. Quem se forma, costuma ser disputado pelo mercado, pois o País tem carência deste profissional, diz Vitalle.

Na feira da Intermach, os visitantes também podem conferir as novidades na fabricação de peças para diversas aplicações, como a automatização de linhas produtivas, e equipamentos para fabricação de produtos em 3D.

Uma das expositoras é a representante no Brasil da Makerbot, uma das primeiras empresas do mundo a desenvolver impressoras 3D, uma solução que ganha popularidade a cada dia. Atualmente, até pessoas físicas e empreendedores já podem contar com uma impressora a partir de R$ 8 mil.

Fonte: ClickRBS, escrita por Claudine Nunes