Voltar

Pesquisa: aumenta presença de mulheres no mercado tecnológico

26/03/2014
Imagem retirada de http://camphalfbloodroleplay.wikia.com/wiki/File:Business-Woman.gif
Imagem retirada de http://camphalfbloodroleplay.wikia.com/wiki/File:Business-Woman.gif

Atualmente, as mulheres vêm se destacando e optando cada vez mais por profissões antes tipicamente masculinas. Depois de muita luta, elas têm conquistado cada vez mais o mercado de trabalho e a liderança de grandes empresas e nações.

Devido à maior concentração e habilidade de se relacionar que elas possuem, muitas profissões têm se revelado perfeitas para as mulheres, que passaram a aproveitar seu feeling empreendedor e sua versatilidade também para o mundo da tecnologia. De acordo com as estatísticas atuais de todos os segmentos tecnológicos, há cada vez mais mulheres nas salas de aula da área.

Segundo dados do Instituto Zethos de Educação Coorporativa (IZEC), essa mudança de gênero dos alunos tem sido notada há bastante tempo e a mulher já é considerada maioria quando o assunto é aprendizado da tecnologia. O instituto, que oferece cursos de softwares especializados em gestão, mostra que a média é de 62% de mulheres para 38% de homens, o que comprova a forte presença feminina em sala de aula.

Segundo Juliana Sanna, diretora de Novas Soluções da Zethos, empresa parceira da SAP alemã, a capacidade de concentração e perfeccionismo feminino são, sem dúvida, os principais pilares do êxito delas nesse mercado. “Entre os cursos oferecidos pela instituição, a maioria sempre apresentou um percentual elevado de mulheres. É cada vez maior o número delas em todos os segmentos da tecnologia e principalmente nas áreas tangentes ao mercado empreendedor”, destaca Juliana, que também é professora no instituto.

Segundo a Associação Brasileira dos Distribuidores de Tecnologia da Informação (Abradisti), só em 2013 o setor de tecnologia da informação (TI) movimentou cerca de 84,6 bilhões no país. Com o intuito de diversificar a base econômica de Minas Gerais, o Governo estadual vem fazendo constantes investimentos que fomentam o setor de tecnologia no Estado, que se destaca como o terceiro mais importante do Brasil, movimentando R$ 2,3 bilhões por ano. Com o mercado promissor no estado e no país e com o universo digital fazendo cada vez mais parte da vida das pessoas, esse segmento deixou de ser privilégio masculino e tem se rendido às habilidades femininas.

A mestre em Ciências da Computação Janniele Soares é exemplo de como as mulheres estão cada vez mais envolvidas com a tecnologia. Aos 24 anos, a mineira já faz parte do corpo docente da Universidade Federal de Outro Preto, no campus de João Monlevade, MG, onde é membro da comissão de planejamento estratégico do Departamento de Computação e Sistemas de Informação - DECSI. Segundo ela, o interesse na área tecnológica surgiu desde cedo. “Tudo começou com um curso técnico de informática. Com o diploma de técnica e paralelamente à faculdade, trabalhei por cinco anos em uma indústria no setor de Tecnologia da Informação (TI), onde atuei como Coordenadora de TI. No mestrado, tive experiências com pesquisas, projetos e competições”, conta.

A mulher por natureza própria é detalhista e isto ajuda bastante no setor tecnológico, principalmente para as que trabalham com programação. A jovem conta que a todo instante está envolvida em projetos e pesquisas, e que produzir e transmitir conhecimento é a parte mais gratificante. “Acredito que a área tecnológica é muito promissora e ainda falta mão de obra qualificada no mercado. Durante toda a minha trajetória, nunca fui vítima de preconceito por parte dos meus colegas do sexo masculino, que achavam bom ter alguém para dar um toque feminino aos trabalhos”, destaca.

Fonte: Administradores.com