Voltar

Automação e 3D apoiam produção de vestuário

30/04/2014
Imagem: Audaces / Divulgação / JC
Imagem: Audaces / Divulgação / JC

Criar, desenvolver e produzir peças de roupas são processos tradicionais da indústria têxtil que começam a entrar em uma nova era por meio da adoção de novas tecnologias. De olho no potencial desse mercado, a Audaces, empresa de Santa Catarina, tem incrementado o seu portfólio com soluções abrangentes para esse segmento.

O sistema de automação integrado para o segmento de vestuário tem apoiado fabricantes de roupas a criarem moldes com apenas alguns clique. Os softwares da marca possibilitam a criação, alteração e graduação dos moldes de forma intuitiva, otimizando o tempo do profissional de modelagem. Também é possível realizar o encaixe dos moldes automaticamente com o melhor aproveitamento de tecido.

Para a primeira etapa do processo de produção de uma roupa, a da criação, a aposta é no Audaces Idea. A ferramenta facilita os processos criativos de moda, detalhando desde a engenharia do produto até a etapa da produção da ficha técnica, o que permite, durante a criação, saber o custo final de cada peça a partir das matérias-primas usadas.

São cinco módulos. O Biblioteca, por exemplo, permite que as empresas que trabalham com a produção de diversas linhas de roupas, como jeans e fitness, possam deixar desenhos salvos no banco de dados para depois usá-los novamente. Já o de Engenharia de Produtos torna possível a colocação de informações relativas aos modelos. Para os interessados em divulgar as coleções junto aos consumidores, a alternativa é o uso do aplicativo Catálogo.

“A Audaces possui uma linha completa e integrada de softwares para apoiar a criação de produtos. Isso sem falar na facilidade de serem sistemas muito intuitivos e fáceis de serem utilizados”, comenta Gisele Cunha, gerente comercial de produto Audaces Idea. Essas ferramentas, comenta, apoiam a produtividade e a redução de custos e prazos.

Ainda dentro da fase da criação, a empresa criou um projeto colaborativo chamado Idea nas Nuvens (www.ideanasnuvens.com.br). A rede social tem como público-alvo pessoas interessadas em moda, que gostam de desenhar e dividir looks com amigos. “Com essa comunicação, conseguimos ter feedbacks mais rapidamente para aprovação dos modelos”, explica.

Na fase seguinte a do Audaces Ideia está o Audaces Vestuário, sistema que automatiza o desenvolvimento, modelagem e encaixe. O produto permite a criação, alteração e personalização dos moldes. Além disso, facilita a definição do sentido do fio e a conferência de distâncias e perímetros e simula o aproveitamento do encaixe e o consumo por peça.

Para tornar esse processo ainda mais tecnológico, a alternativa é usar o Audaces 3D, sistema de simulação tridimensional de modelagem de roupas que permite a criação de peças na tela do computador sobre um manequim virtual. O produto analisa o caimento do tecido de acordo com as escolhas do estilista e permite a visualização da peça antes da produção, o que possibilita a visualização de pontos onde há sobras de tecido ou onde ele aperta.

A grande vantagem disso, explica Gisele, é que os ajustes podem ser feitos antes mesmo da confecção da peça-piloto, gerando economias significativas de tempo, mão de obra e tecido. “É muito comum as empresas fazerem três ou quatro pilotos antes de liberar a peça. Ao testar a roupa em um manequim virtual, o modelista consegue descobrir imediatamente o que precisa ser alterado”, relata.

O ganho de tempo é representativo, já que muitas vezes esses moldes precisam ser feitos fora da empresa, o que leva de sete a dez dias. Com essa ferramenta 3D, em algumas horas tudo está finalizado.

A gerente comercial de produto Audaces Idea, Gisele Cunha, observa que a cultura da tecnologia está crescendo entre o empresariado. “As empresas estão percebendo a importância de acompanhar as novidades e nós também temos procurado nos aproximar das universidades para buscar sempre diferenciais e inovações para oferecer aos fabricantes desse segmento”, diz.


Fonte: Jornal do Comércio, escrita por Patricia Knebel